COMO REALIZEI UM SONHO... E COMO DEITEI TUDO A PERDER.

maio 09, 2017


Sempre tive tendência para ser gorducha mas algures entre o meu nono e décimo ano decidi que isso iria acabar de vez. 

Eliminei todos refrigerantes, doces e fritos da minha alimentação e passei a privilegiar o consumo de frutas e legumes. As sopas passaram a estar presentes em todas as refeições. Os frangos assados passaram a ser acompanhados por salada e um pouco de arroz, e as sobremesas foram substituídas por frutas deliciosas e suculentas. E no verão, as manhãs passadas na cama foram substituídas por manhãs no ginásio.

Não foi difícil. Sabia o que queria e sabia o que tinha de fazer para o conseguir. Não cometi loucuras, mas fiz bastantes ajustes. E se algum dia cometia alguma asneira também não me martirizava por isso, apenas me relembrava a mim mesma que a excepção não se podia tornar regra.

Os números das calças começaram a baixar e o 44 - às vezes 46 - deu lugar a um 38. E os meus mais de 80 quilos, deram lugar a uns simpáticos 58. Ir às compras deixou de ser uma tortura, passei a olhar de frente para os espelhos, fui à prateleira buscar as minhas peças favoritas e fiquei feliz por me ficarem bem. 

Mantive o meu peso constante e os meus hábitos saudáveis durante todo o secundário e parte da faculdade. Até a minha avó morrer.

Já tinha perdido um avó e os meus bisavós mas foi só nesse momento que percebi o que era perder um pedaço de mim própria. Nunca me senti mais traída do que nesse dia. Perderes alguém que amas, alguém que te criou e que tem apenas 60 anos, já é insuportável. Mas é ainda pior quando isso acontece apenas algumas horas depois de te ligarem a dizer que a cirurgia - marcada antecipadamente e apenas como forma de prevenção - tinha corrido bem.

Entrei em modo automático. Estive na igreja, de dia e de noite, até ao funeral. Quando terminou foi para casa, deixei o jantar feito para a minha mãe e irmão e fui trabalhar. E não parei durante todo o verão. Trabalhei e fiz todos os exames que consegui. Quando não estava a trabalhar estava a estudar. Quando não estava a estudar estava a trabalhar. Dormia cerca de quatro horas por dia para desligar assim que caísse na cama e não pensar em nada. Estava demasiado cansada, até para sonhar, e ainda bem porque até isso era difícil.

Não encarei a situação - continuo sem o fazer - e a comecei a comer tudo o tipo de porcarias para compensar a minha fragilidade emocional. A situação arrastou-se até ao dia em que vi o número 90 na balança. Comecei imediatamente a fazer dieta e consegui alcançar os 78 quilos com a ajuda do Insanity Workout. Comecei a achar que como já estava a conseguir, e já o tinha conseguido uma vez, já não precisava de ter tanto cuidado. Mais uma vez: estúpida!

O mês passado tinha 89 quilos e decidi que não iria continuar assim. A minha avó sempre me motivou a ser a melhor versão de mim própria e a lutar pelo que quero e é o que vou fazer. Mesmo que demore, sei que vou conseguir!

Não sou a melhor pessoa para manter compromissos comigo própria, por isso vou assumir este compromisso com vocês e vou partilhar convosco as minhas conquistas e as minhas dificuldades. Se alguém estiver a passar pelo mesmo: Força! Não estão sozinhos.

You Might Also Like

6 comentários

  1. Percebo bem a dor que é perder uma pessoa chegada a nós, mas como dizes, a tua avó iria querer o teu bem, o que te fizesse feliz, por isso fico aqui a torcer por ti, vais ver que consegues!
    Beijinhos e qualquer coisa, é só dizeres. ;)
    (Tenho um email no blog que podes usar se precisares, não tenhas problemas...)

    ResponderEliminar
  2. És capaz e sabes disso melhor do que ninguém. Foi um embate duro que tiveste e é normal que o foco noutras coisas se tenha perdido. Mas é importante que reconheças e queiras voltar a fazer essa mudança. A morte de um familiar é difícil. Das coisas mais difíceis. Desejo-te a maior força do mundo e estarei cá para ler mais desabafos e conquistas. Um beijo enorme!

    ResponderEliminar
  3. Lamento sinceramente a tua perda e não consigo imaginar a dor que estás a sentir.
    Mas acredito, pelo que li, que és forte, corajosa e lutadora e que por isso vais ultrapassar tudo isto e sair dessa mais forte. Serás feliz, muito feliz.
    E já alcançaste os teus objectivos uma vez, conseguirás de novo!
    Força, coragem e fé. És uma guerreira! :)

    ResponderEliminar
  4. Desde já lamento essa montanha russa de emoções que te levou a "quebrar" mas sabes, somos humanos e é normal. Tens é de ficar contente de teres a consciência de que queres mudar. Força! :)

    ResponderEliminar
  5. Força contigo! Espero que consigas atingir os teus objectivos ;)

    ResponderEliminar