Deixa as Palavras Voarem | Família - Os Nossos Heróis.

dezembro 06, 2014

As pessoas são chatas. É simples. É verdade. E existem sempre aquelas mais chatas que todas as outras. A pior de todas é aquela pessoa que te obriga a fazer os trabalhos de casa. Que te obriga a levar um casaco mesmo quando achas que não é preciso. Que te obriga a comer os legumes. Que te leva ao médico para levares as detestáveis vacinas. Que não te deixa faltar à escola só porque sim. Que te dá sermões intermináveis sobre os perigos das drogas e do álcool. Que te marca uma hora de chegada que te faz parecer menos fixe à frente dos teus amigos. 

Essa pessoa, que parece fazer todos os possíveis para te chatear e dificultar a tua vida, é também a pessoa que faz com que recebas um elogio da professora. Aquela a quem tens de agradecer por não teres ficado cheia de frio nas salas geladas da tua escola. A que te deu uma alimentação saudável que te permite ter saúde. A que fica acordada toda a noite ao teu lado quando estás doente só para garantir que estás bem. A que fez com que não perdesses um teste surpresa. A que te impediu de acabar desmaiado no meio da rua por teres bebido demais. A que te afastou das drogas porque "é uma coisa que nem vale a pena experimentar". A que impediu que passasses más experiências por teres passado a noite fora de casa.

Com o tempo percebemos tudo isso. Que as nossas pessoas favoritas quando temos 4 anos, aquelas que nos permitem fazer tudo, que nos compram guloseimas e brinquedos fixes não são as melhores. Claro que continuamos a gostar delas mas conseguimos ver tudo mais claramente. Finalmente percebemos que é fácil permitir sem impor limites. É fácil comprar brinquedos. É fácil comprar doces. Fácil, e muito menos complicado. O difícil é ser o mau da fita. Difícil é impor limites e ver constantemente uma cara feia, respostas tortas ou ter de lidar com uma birra. Difícil é ter de  negar um brinquedo porque estamos a fazer mil e uma contas para conseguir comprar os manuais escolares e um agasalho para o tempo mais frio. Difícil é ter de convencer a comer as couves de bruxelas.

Percebemos que afinal o herói é quem fica. Quem luta. Quem enfrenta o mundo sem nunca nos largar a mão. Quem tem o sorriso mais bonito e o abraço mais apertado reservado para nós cada vez que nos vê, mesmo que sejam mil vezes por dia. Quem nos fazer sentir especiais. Quem nos faz acreditar que com esforço e dedicação conseguimos tudo. Quem nos guiou pelos caminhos difíceis. Quem nos orientou nas escolhas - sem pressionar ou influenciar - que nos fazem ter orgulho em nós e no que fizemos. Quem nos faz sentir amamos. Quem nos dá a certeza que irá estar sempre ao nosso lado, aconteça o que acontecer.

Tive a sorte de perceber isso cedo. Tive as minhas crises parvas de adolescência como todos os outros mas percebi, relativamente cedo, que tenha ao meu lado a melhor amiga que alguém poderia desejar. Tenho ao meu lado muito mais do que podia pedir e, certamente, muito mais do que aquilo que mereço. 

Obrigado. Por todos os momentos. Por todas as gargalhadas. Por todos os abraços apertados. Por todos os beijos constantes. Pelos sermões. Pelos conselhos. Por tudo. Obrigado. Por seres quem és. Por me teres tornado quem eu sou. 

Amo-te mãe. Sempre e para sempre.

You Might Also Like

5 comentários

  1. Este texto tem tanta razão... Ás vezes demoramos a perceber que realmente aquela pessoa que achamos chata afinal até sabe o que é melhor para nós e mais tarde acabamos por lhe dar razão e agradecer-lhe todas as «chatices» :)

    r: Vais ver que a resposta vai ser positiva :D tu mereces ;) então se calhar cruzámos-nos mesmo e não sabemos eheh

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito do teu texto dedicado à tua mãe. Tens jeito para a coisa, por isso podes pensar em participar mais vezes ;) eheheheh Obrigada por participares

    ResponderEliminar
  3. Uau, que texto fantástico! Se a tua mãe lesse isto, acho que iria ficar muito babadinha :)

    ResponderEliminar
  4. Adorei o texto. Eu sou sempre a bruxa, mas a minha filha mais velha, daqui a pouco com 9 anos, tem tanto a noção daquilo que descreves que eu me sinto feliz por ser assim.

    ResponderEliminar