Voluntariado #2

agosto 06, 2014

Já referi algumas vezes que gosto do meu trabalho como monitora e, agora, como monitora voluntária. E continua a ser verdade, no entanto há coisas que me tiram do sério. Temos lá três irmãos e a família favorece notoriamente o rapaz. Para eles o rapaz é o mais importante, aquele que deve ser protegido e aquele que deve ter tudo mesmo que, para isso as irmão fiquem prejudicadas. 

Ontem ainda se evidenciou mais porque a irmã mais velha disse que tinha 2,5€ e que o avô lhe tinha dito para comprar um gelado para ela e que, com o sobrasse, comprasse um para a irmã. Dissemos logo que não podia ser assim pois se lhe apetecesse um gelado de 2,50€ não sobrava nada para a irmã e isso não era justo. Ainda acrescentei, feita parva, que também tinham de comprar um gelado para o irmão, ao que ela me respondeu que o Pedro tinha 2€ só para ele. Fiquei parva, como é que davam a um quase a mesma quantia que mandavam para as outras duas dividirem!? Chamei os três e disse para me darem o dinheiro, tanto os 2€ como os 2,50€ e dividi igualmente pelos três pelo que ficaram com 1,50€ cada um. O menino resmungou mas as irmãs que não estão habituadas a ser tratadas de igual forma ficaram para lá de felizes. A mais pequenina quando estava a comer o gelado até disse: "Boa Ana! Assim é que é bom" e deu os 20 cêntimos que sobraram do gelado dela para a irmã comprar o Magnum que tanto queria e nunca podia comprar.

Provavelmente vou ser repreendida pelos pais mas pouco me importava. Uma das minhas tarefas quando estou a cuidar deles é tomar decisões e corrigir comportamentos. Se sofrem injustiças em casa não posso fazer nada mas enquanto estiverem comigo isso não vai voltar a acontecer.

Custa-me encaixar estas diferenças de tratamento. A minha mãe tem três filhos e nunca senti que fossemos tratados de forma injusta ao desigual. Claro que não dá tudo a todos sempre ao mesmo tempo. Se um de nós precisa de algo de valor mais elevado agora ela resolve o assunto mas depois compensa os outros dois, pode ser na semana ou no mês seguinte mas acabamos sempre por ficar iguais.

Stop

You Might Also Like

10 comentários

  1. Também odeio isso, no meu trabalho (trabalho num centro de estudos como professora e explicadora) também acontece. Há um casal, daqueles todos pipi, que têm 3 filhas e a do meio é mais invisível pelos pais. Custa-me imenso, e trato-a coml às irmãs, sem fazer distinção e repreendo a mais velha quando está a mostrarse superior, dizendo que estão ambas em pé de igualdade.

    ResponderEliminar
  2. Mesmo que os pais te repreendam tenho a certeza que vais ficar de consciência tranquila porque fizeste o que era correcto :)

    R: Pois mas o problema é que os "outros" estão sempre a fazer a festa... quando uma Comissão nova é nomeada e não aceita fazer a festa lá vão eles organizá-la e, nos últimos anos para a festa não terminar, têm-se nomeado uns aos outros. As mesmas pessoas estão a fazer a festa há seis ou sete anos, sem um ano de intervalo, e é desgastante visto que tem que se andar a fazer actividades durante o ano todo para ganhar dinheiro. Este ano cansaram-se e acho que fizeram muito bem em nomear aqueles que criticam sempre :\

    ResponderEliminar
  3. Mesmo que os pais te repreendam tenho a certeza que vais ficar de consciência tranquila porque fizeste o que era correcto :)

    R: Pois mas o problema é que os "outros" estão sempre a fazer a festa... quando uma Comissão nova é nomeada e não aceita fazer a festa lá vão eles organizá-la e, nos últimos anos para a festa não terminar, têm-se nomeado uns aos outros. As mesmas pessoas estão a fazer a festa há seis ou sete anos, sem um ano de intervalo, e é desgastante visto que tem que se andar a fazer actividades durante o ano todo para ganhar dinheiro. Este ano cansaram-se e acho que fizeram muito bem em nomear aqueles que criticam sempre :\

    ResponderEliminar
  4. Amei a tua iniciativa, deste um excelente exemplo, Parabéns

    Sónia
    Taras e Manias

    ResponderEliminar
  5. Isso faz-me uma confusão desgraçada. Não imagino porque existem pais que fazem isso, enfim.

    ResponderEliminar
  6. Muito bem, agiste corretamente. Sinceramente também não entendo essas pessoas.

    ResponderEliminar
  7. Parabéns! Tiveste uma atitude de louvar. Só tenho pena daquelas crianças quando forem mais velhas porque, está visto, que se não forem outras pessoas, os pais e quem sabe a restante família, não são capazes de incutir valores fundamentais na educação daquelas crianças. Muita pena mesmo!

    ResponderEliminar
  8. Não percebo este tipo de situações, é suposto os filhos serem todos tratados da mesma forma, digo eu... Acho que fizeste muito bem em teres dividido o dinheiro entre eles, foi bem mais justo!

    ResponderEliminar
  9. Tomaste a melhor decisão, acredita! Eu trabalho com crianças e já lidei com casos parecidos. É triste quando temos que ser nós, "pessoas estranhas", a mostrar às crianças como deveriam ser mesmo feitas as coisas...

    ResponderEliminar
  10. Acho que infelizmente a educação dos miúdos de hoje cada vez está a ser pior. Vejo tantas crianças desse género que referiste, o meu próprio irmão é assim a maior parte do tempo. E tem 12 anos, já tem idade para compreender as coisas, que o dinheiro custa a ganhar, que os pais se esfolam a trabalhar para não faltar comida em casa. Mas não... Eu tento repreende-lo e ensinar-lhe a dar valor, mas não vale de nada pois os pais vêm por trás e fazem-lhe as vontades todas. Comigo ele é um pré-adulto, com alguma maturidade e responsabilidade, mas quando está na presença dos meus pais transforma-se num bebé, age como um bebé... Ainda dorme com a mãe, por exemplo. Já nem sei o que fazer.

    ResponderEliminar